Trabalhos Bio

Clicando aqui, você irá diretamente para a página do Wikipédia onde dizem que é um resumo sério da minha biografia.

Mas se quer saber a verdade com informações confiáveis, sérias e embasadas sobre a minha vida, leia abaixo:

Nasce Oscar Filho. Seu pai, Oscar, diz que ao invés de seu filho nascer chorando, nasceu dando uma boa gargalhada com as mãos na barriga, tipo o Gato Félix. Ao ver a cena, exclamou: “Ah, esse é meu filho!!!”. Por isso Oscar Filho.

Não, seu pai não é o Oscar Maroni Filho dono do Bahamas. Mesmo se fosse, Oscar Filho não se chamaria Oscar Filho. Se chamaria Oscar Neto, certo? Se fosse filho dele, talvez não fosse ator nem humorista, iria trabalhar como degustador das mercadorias da empresa de seu pai.

Aos 5 meses tinha o saco maior que o pênis. Talvez ainda tenha… O cobertor que estou deitado.

Aos 2 anos o primeiro amigo… imaginário… seu nome era Murphy. Pena não ter foto dele…

Aos 3 anos teve abstinência de Yakult. Por ser tarde da noite de um domingo, todos os estabelecimentos estavam fechados. Sua mãe lavou uma embalagem que estava no lixo, pôs Toddy dentro e ele foi dormir satisfeitíssimo!

Aos 4 anos pulou numa piscina olímpica sem saber nadar. Sua mãe a fim de salva-lo, pulou na água, mas, por também não saber nadar, quase morreu afogada enquanto ele descordenadamente foi batendo os braços até chegar na outra borda são e salvo.

Aos 5 quebrou a parede da sala com um martelo pro gato poder entrar à noite. Também com essa idade, fez uma fogueira no chão do quarto acarpetado porque estava com frio.

Aos 6 anos, entortou o cano do chuveiro brincando de Tarzã se apoiando na mangueira. Isso lhe custou um domingo de castigo. Nesta época, seus pais tentavam vender a casa para um casal mostrando as excelentes condições. Oscar, o Filho, ouvindo aquilo, interviu: “Só aquela porta que está cheia de cupins.” Deu uma voadora despedaçando a porta.

Aos 7 anos enfrentou seus pais: “Se não me deixarem ir pra escola sozinho, eu nunca mais irei”. Deixaram e ele errou o caminho. Teve que voltar.

Aos 8, foi parar na diretoria no primeiro dia de escola do primeiro ano antes mesmo da aula começar. Este fato deveria estar no Guinnes Book.

Aos 9, no velório de sua tia, perguntou alto para a mãe no meio do clima fúnebre: “Mãe, por que a tia tá com os olhos abertos? Ela já não morreu?”

Aos 10, seu amigo de infância, Paulo Sérgio, disse para Oscar que no ano 2000 o planeta “Chupão” iria se aproximar da Terra e chupar todos os seres bons e deixar os ruins por aqui. Oscar acreditou!

Aos 11, não pensava em outra coisa senão jogar Atari. E foi o que fez. Diz que chegou ao final de Enduro, River Raid e Pitfall. O que culminou numa clínica de recuperação na cidade de Atibaia.

Aos 12, pediu pra que o seu pai pintasse o “S” do Super Homem no teto do quarto. Foi ignorado.

Aos 13, durante uma apresentação escolar da 6a série, 5 colegas de sala cantavam Asa Branca. Empolgado com a música, Oscar Filho subiu na cadeira, arrancou a camiseta e começou a rodá-la no ar. O diretor quase executou Oscar Filho que jura não se lembrar do fato.

Nesta época começou a fazer teatro. Durante uma apresentação, esqueceu uma fala e não disfarçou assumindo a falha. Dias depois, os universitários ainda paravam Oscar Filho na rua parabenizando-o pela atuação perfeitamente naturalista.

O nome do grupo era Estar Feliz – Tipo Estrela Feliz, manja?

Aos 14 repetiu a 6.a série. Não por ser burro, foi só pra ver como é que era. Amigos como A, P e H (só as iniciais dos nomes) fizeram bullying durante muito tempo com Oscar por conta disso que respondeu jogando uma praga nos três que se tornou realidade: A não conseguiu completar o colegial e fez supletivo, P repetiu a oitava e H repetiu TRÊS VEZES A SEXTA SÉRIE.

Nesta época também foi atropelado por uma carroça. É amigo do cavalo até hoje.

Aos 15 teve sua primeira aparição na mídia. Foi parar na primeira capa do jornal da cidade como vândalo.

Aos 16 foi atropelado por uma mobilete. No ano seguinte esperou ser atropelado por um carro para dar um upgrade.

Aos 17 anos atuou e produziu sua primeira peça chamada ‘Desculpem, acho que entrei na peça errada’. Sucesso entre os fantasmas e espíritos. Todos resolveram aparecer na única sessão da peça.

Apesar de eu estar vestido do personagem, as roupas eram dele.

Aos 18 anos entrou para a Oficina dos Menestréis. Eram 50 atores num palco. Tendo Oscar Filho 1m68, não teve destaque nenhum. Voltou pra Atibaia.

Neste ano tirou sua carta de motorista. Uma das analistas da prova era sua prima. Passou! Seu pai lhe emprestava o carro: um fusca azul. Foi desafiado a levar 10 pessoas lá dentro. Aceitou o desafio e levou 13.

Aos 19 anos ganhou o primeiro lugar de um concurso de contos em Atibaia com o conto O Baú. Depois disso, acabaram com o concurso por ‘falta de qualidade’.

Teve que mudar de colégio e, como trote, os veteranos fizeram Oscar Filho transar com uma árvore só de cueca. Oscar só não fez amor com a árvore como gemeu alto. Isso gerou rebeldia.

Deixou o cabelo crescer e só se vestia de preto.

Dos 20 aos 21 fez cursinho para ingressar no vestibular. Gastou dinheiro de avião, hospedagem e alimentação indo para o Rio de Janeiro prestar vestibular. Foi em vão porque se esqueceu de colocar o relógio pra despertar e perdeu a hora da prova.

O que mais aprendeu nesses anos foi como blefar no truco e como um pão com álcool pode agilizar o processo de um churrasco.

Aos 22 muda-se para São Paulo. Rua Augusta… As prostitutas faziam ponto EXATAMENTE na porta do seu prédio. Só neste dia entendeu o que era comida delivery.

Investiu dinheiro em seu primeiro book para trabalhar como modelo… Não conseguiu trabalho nessa área até hoje. Eis a prova da tentativa:

Uma das melhores fotos do meu book pra ingressar no meio artístico

Aos 23 trabalhou na CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) como orientador de trânsito. Ironicamente os acidentes envolvendo carros e pedestres aumentaram consideravelmente naquele ano.

Primeira vez que viu Marta Suplicy de perto. Gostaria que tivesse sido a última!

Também fazia teatro infantil para se sustentar.

A Cigarra e as Formigas. Eu era um doende. Nem doende tem na história.

Aos 24 entrou em cartaz com a peça as ‘Bruxas de Salém’. A peça era séria, mas as pessoas não paravam de rir da interpretação de Oscar Filho.

Também foi nesta época que tomou o primeiro chute na canela trabalhando como animador de festa infantil. Fantasia: Ursinho Puf. Não foi um bom período.

Aos 25 descobriu que era corno. Pegou sua namorada na cama… COM OUTRA. Ficou arrasado e acabou o namoro ali mesmo. Hoje se arrepende de não ter dito algo como: “também quero!”

Também montou um grupo de humor chamado ‘Os Cretinos’. Nessa época, as pessoas se achavam bastante criativas me chamando de “cretino”.

Pátima, a menina assassina

Aos 26 foi indicado como melhor ator para o prêmio FEMSA de 2004. Os responsáveis pelo prêmio com certeza não estavam no seu juízo normal.

Também trabalhou numa empresa que vendia stands modulares. Andava de terno debaixo de sol e sentia muito calor. Nunca vendeu uma peça sequer. Jurou a si mesmo que NUNCA mais ia trabalhar de terno. Doce ironia do destino.

Aos 27 entra para o Clube da Comédia Stand-up e assume o humor como forma de ganhar a vida. Poderia viver melhor.

Fez uma participacão das filmagens de um longa ficção interativa chamado ‘Em Aberto’ interpretando um policial. Apareceu mais tempo nos extras errando o texto do que no filme em si. Clique aqui e assista a isso.

Aos 28 visitou o Grande Cannion através do Google Earth…

Aos 29 pagou o seu primeiro mico em um evento às 6 da manhã. Foi convidado para “acordar” um grupo de pessoas dentro de um ônibus usando o bom humor. A questão é que as pessoas, TODAS, já estavam bem acordadas e incrivelmente animadas. Oscar Filho foi o responsável por deixá-las depressivas.

Neste ano foi contratado pela Band – um surto psicótico da emissora – para o programa CQC – Custe o Que Custar.

Aos 30 fez trinta anos. Capotou o carro em janeiro na divisa do Paraná com São Paulo. Ligou para o seguro e enquanto esperava para pegarem seus dados, colocaram uma músiquinha de espera: Quando eu morrer, me enterrem na Lapinha…

Em março tomou um tapa na orelha do Hector Babenco em entrevista ao CQC. Foi perguntado se teve vontade de revidar e a resposta foi: “Não, pois sigo um preceito cristão. Eu ofereceria a outra orelha”. Declarou que a revistada foi tão forte que entrou por uma orelha e saiu pela outra. Clique aqui e assista a isso.

Aos 31estava num relacionamento sério. Ficou sem sexo durante muito tempo. Também teve o seu primeiro filho!!! Através do nariz.

Isso era uma espinha interna

Aos 32 adquiriu uma gata (felino). É o que se espera de alguém que nasceu num lugar conhecido como “a cidade das flores e dos morangos” e que senta pra fazer xixi.

Também fez uma matéria para o CQC na Argentina no jogo contra a Nigéria (3X1) durante a Copa em que desligava a TV justamente nos momentos dos gols dos hermanos. Foi a experiência mais próxima da morte que viveu. Clica aqui pra assistir.

Aos 33 ganhou o 10.o Prêmio Jovem Brasileiro por seu show de stand-up comedy Putz Grill…. Isso o fez entrar em crise. “Se o meu show ganhou este prêmio, a qualidade dos shows de stan-up por aí andam preocupantes!”

E foi neste ano que seu show de stand-up “Putz Gril…” atingiu a marca de, aproximadamente, 500 mil expectadores. Não sabia que havia no país meio milhão de pessoas com tanto mau gosto.

Aos 34 quase entrou de carro dentro de um castelo na França. Foi advertido por um funcionário que veio atrás do carro dirigindo um trator.

Fez uma endoscopia. Devido ao sedativo, teve dúvidas se fora abusado sexualmente durante o exame. Boatos dizem que há um vídeo na internet que prova isso.

Aos 35 escreveu um livro chamado “Autobiografia Não Autorizada” detalhando tudo isso que acabou de ler. Para comprar, clique aqui.

Atualmente trabalha de terno e óculos escuros no CQC.